Gerenciamento de Resíduos nas Aulas de Química

É consensresíduos químicos 2o entre professores de Química de diferentes níveis de ensino a importância que a experimentação desempenha no processo de ensino e aprendizagem. No entanto, certos produtos, quando são utilizados em aulas experimentais, podem se transformar em materiais que, em função de seu caráter tóxico e de potenciais danos ao ambiente, não devem ser descartados em lixo comum ou em redes de esgoto. Por isso, é importante repensar a sua utilização, reduzindo as quantidades utilizadas ou os substituindo por outros menos perigosos sempre que possível.

Deve-se dar preferência a experimentos cujos resíduos possam ser recuperados para reutilização em outras atividades experimentais e, no caso dos rejeitos. Entretanto, se não for possível o reuso, o material deverá ser tratado e só poderá ser descartado na pia ou no lixo comum se não apresentar impacto ambiental significativo. Esta preocupação é muito importante no Ensino de Ciências, porque ajuda a despertar a responsabilidade socioambiental nos estudantes e a promover o desenvolvimento de uma consciência ética.

A adequada disposição final de rejeitos perigosos gerados nas aulas pode ser feita por meio de incineração, co-processamento ou envio a aterros industriais. Porém, como a produção de rejeitos em escolas de Ensino Médio é muito pequena comparada ao montante de uma indústria, o custo proporcional de sua disposição é muito alto. Sugere-se que, nesses casos, as Secretarias de Educação se responsabilizem por efetivar convênios com instituições de ensino ou mesmo de pesquisa, formando uma cooperativa para viabilizar a disposição final de rejeitos perigosos.

Os materiais identificados e considerados pouco impactantes podem ser dispostos no lixo (sólido) ou na rede de esgoto (soluções), desde que em pequenas quantidades, baixas concentrações e de baixa toxicidade, atendendo aos limites estabelecidos pelas legislações ambientais. No entanto, devido às dificuldades relacionadas à análise de concentrações e descarte de rejeitos potencialmente tóxicos, a melhor atitude a ser tomada em práticas de laboratório na Educação Básica é a não utilização de materiais impactantes.

Buscando uma melhor aprendizagem da Química, além da ratificação do papel dessa ciência na sociedade moderna, o professor deve privilegiar a experimentação mais limpa, explorando também seu potencial socioambiental no processo de formação do educando. Assim, é imprescindível discutir com os estudantes como que as ações de cada indivíduo influenciam, de forma positiva ou não, nas questões ambientais. Apesar de um único indivíduo não mudar quadros tão amplos, ele pode ser o catalisador de mudanças de concepções que levam às transformações almejadas.