Lavagem a seco

lLavagem a seco significa lavar por meio de fluido ou solvente não aquoso, ou seja, sem a utilização de água no processo. Deste modo, apesar de o nome ser lavagem a seco, o processo deixa o que está sendo lavado molhado, entretanto a evaporação ocorre de maneira mais rápida por se tratar de solventes orgânicos.

No caso de tecidos, a lavagem a seco aumenta a durabilidade dos mesmos, pois não há deformação (dilatação e contração das fibras), como o encolhimento e a manutenção da coloração das roupas devido a uma menor dissolução dos corantes em solventes orgânicos. Outra vantagem é que a quantidade de resíduos gerada no processo pode ser minimizada visto que alguns solventes podem ser destilados e reutilizados. Entretanto nem todos os tecidos podem ser submetidos a este tipo de processo, por isso é importante observar as indicações presentes nas etiquetas.

Atualmente, o processo de lavagem a seco possui três etapas principais: primeiro o solvente dissolve e dispersa a sujeira do tecido, solvente e a sujeira são removidos do tanque de lavagem e por último a sujeira é removida do solvente via processo de destilação, possibilitando a reutilização do solvente.

As máquinas utilizadas no processo são basicamente as mesmas no que diz respeito a princípios e funções de uma máquina de lavar doméstica, combinada com uma secadora, possibilitando assim a recuperação do solvente utilizado, ocasionando uma maior economia e menos danos ao meio ambiente.

Um dos solventes utilizados no processo de lavagem a seco é o tetracloroeteno, comercialmente conhecido como percloroetileno; seu manuseio deve ser cuidadoso pois estudos apontam um aumento do risco de câncer entre trabalhadores de lavanderias a seco, pois sua contaminação pode ser ocasionada via inalação de seus vapores, por absorção pelo trato gastrointestinal e/ou absorção da pele; portanto, as máquinas utilizadas devem possuir circuito fechado e filtros de carbono ativado que possibilitem a absorção total dos vapores do solvente.

Todavia, existem novas pesquisas científicas em desenvolvimento para tornar o processo de lavagem a seco mais limpo e mais seguro, no que diz respeito a solventes alternativos e tratamento residual.

Resumo elaborado por Maiara Ignes,  a partir do artigo da QNESC: